Cultura

30 de Junho de 2021

Entenda a história por trás do 4th of July

Saiba mais sobre o feriado mais importante dos Estados Unidos

No próximo domingo, dia 4 de julho, é comemorada uma das datas mais importantes dos Estados Unidos: o Dia da Independência (Independence Day). O feriado nacional também é conhecido por 4th of July ou July 4th, que nada mais é do que a data em si (4 de julho).

O 4th of July comemora a aprovação da Declaração de Independência pelo Congresso Continental em 4 de julho de 1776. O feriado, por outro lado, só passou a existir alguns séculos depois, em 1941. Em outras palavras, é uma celebração da liberdade do domínio britânico, que cobrava altíssimos impostos.

No Brasil, comemoramos nossa independência em 7 de setembro e, durante essa época, podemos encontrar as cores da bandeira decorando a cidade, mostrando o patriotismo dos brasileiros. Nos Estados Unidos, isso não é diferente. Por isso, para os americanos, julho é um mês vermelho, azul e branco.

A verdade é que o Congresso Continental já havia votado a favor da independência em 2 de julho. No entanto, eles só concluíram o processo de revisão da Declaração de Independência dois dias depois. A Declaração havia sido escrita por Thomas Jefferson, com participação dos membros do comitê John Adams, Benjamin Franklin, Roger Sherman e William Livingston.

Vamos dar uma olhadinha em como se deu o processo de independência dos Estados Unidos?
 

Onde tudo começou - a Revolução Americana


Em abril de 1775, iniciaram as primeiras batalhas da Guerra de Independência dos Estados Unidos. Alguns colonos desejavam independência total da Grã-Bretanha e passaram a ser considerados radicais.

No entanto, em meados de 1776, devido à crescente hostilidade contra a Grã-Bretanha e à difusão dos sentimentos revolucionários, cada vez mais colonos passaram a também desejar a independência.

Na época, era muito comum a circulação de panfletos políticos para divulgar o ideal independentista. Um dos mais famosos é o Common Sense (Senso Comum), escrito por Thomas Paine em 10 de janeiro de 1776.

Com uma linguagem acessível ao grande público, Paine refletia se existia algo mais absurdo do "que um continente ser eternamente governado por uma ilha". Por isso, Thomas Paine passou a ser conhecido como um dos Founding Fathers of the United States (Pais Fundadores dos Estados Unidos).

Os pais fundadores eram os líderes que participaram da Revolução Americana e estruturaram o governo democrático dos Estados Unidos, deixando um legado que moldou o mundo inteiro. Além de Paine, George Washington, Thomas Jefferson e Benjamin Franklin são outros pais fundadores.
 

Os primeiros passos da independência


Após o início da Revolução Americana, ainda em 1775 foi formado o Second Continental Congress (Segundo Congresso Continental), uma convenção de delegados das Treze Colônias. Esse Congresso funcionava como um governo nacional, levando exércitos, desenvolvendo estratégias, nomeando diplomatas e escrevendo petições.

Em 1776, o Congresso se reuniu na Pennsylvania State House (que depois passaria a ser conhecida como Independence Hall), na Filadélfia. Durante o encontro, o delegado da Virgínia Richard Henry Lee apresentou uma moção solicitando a independência das colônias.

A votação da resolução de Lee acabou sendo adiada, mas o Congresso nomeou um comitê de cinco homens para redigir uma declaração formal justificando a separação da Grã-Bretanha. Nesse comitê, estavam Thomas Jefferson da Virgínia, John Adams de Massachusetts, Roger Sherman de Connecticut, Benjamin Franklin da Pensilvânia e Robert R. Livingston de Nova Iorque.
 

A decisão do Continental Congress


No dia 2 de julho de 1776, o Congresso Continental votou a favor da resolução de Lee pela independência. A votação foi praticamente unânime, já que, inicialmente, a delegação de Nova Iorque se absteve. No entanto, depois decidiram votar a favor.

No dia seguinte, John Adams escreveu para a sua esposa Abigail que o dia 2 de julho "será comemorado, pelas próximas gerações, como o grande Festival de aniversário" e que a celebração deveria incluir "com shows, jogos, esportes, armas, sinos, fogueiras e iluminações de uma ponta à outra do continente, desse dia em diante e para sempre".

(Curiosidade: se você olhar a carta de Adams, vai ver que ele escreveu "shews". Essa era uma forma para se referir a "shows" na época.)

Em 4 de julho, o Congresso Continental adotou formalmente a Declaração de Independência, que havia sido escrita em grande parte por Jefferson. Embora a votação tenha sido realizada em 2 de julho, foi o dia 4 que se tornou o dia do nascimento da independência americana.
 

O 4th of July como feriado nacional


A tradição de celebrar o Dia da Independência se tornou mais difundida ainda após a Guerra de 1812, na qual os Estados Unidos enfrentaram novamente a Grã-Bretanha. Em 1870, o Congresso dos Estados Unidos tornou o 4 de julho um feriado federal. Em 1941, a disposição foi ampliada, concedendo um feriado pago aos funcionários.

Com o passar dos anos, a importância política do feriado diminuiu. No entanto, o Dia da Independência permanece o feriado nacional mais importante dos Estados Unidos e é um símbolo do patriotismo.

A data cai por volta do verão e, desde o século XIX, é foco de atividades de lazer e uma oportunidade para as famílias se reunirem, fazerem churrascos ao ar livre e soltarem fogos de artifício. Tudo isso com as cores da bandeira americana, o símbolo mais comum do feriado, e ao som do hino nacional do país, The Star-Spangled Banner (A Bandeira Estrelada).


E aí? Curtiu saber um pouco mais sobre a história dos Estados Unidos? Agora que você já sabe a importância da data para os americanos, que tal dar uma olhadinha em algumas curiosidades sobre os Estados Unidos ou em como tirar um visto de estudante para os Estados Unidos?

Nós utilizamos cookies e outras tecnologias similares para melhorar a sua experiência em nossos serviços. Ao utilizar nossos serviços, você concorda com o uso dessa tecnologia. Para saber mais acesse aqui